Exoarqueologia, Exobiologia, Exopolitica, Vida Fora da Terra

quinta-feira, 16 de março de 2017

Cordas e Super Cordas



Os Cientistas de Hoje, Físicos, Matemáticos, Biólogos, Químicos e outros encontram se frente a um grande paradigma, a consciência do ser humano esta avançando mais rápido em seu desenvolvimento que a própria ciência, isto significa que complexos sistemas abstratos, não conseguem ser colocados ainda em equações matemáticas solucionáveis, precisamente porque esta matemática não se desenvolveu o suficiente fisicamente. Isto significa também que os paradigmas ficam mais difíceis de se transpor .

Este é o caso das cordas e super cordas, matemáticos físicos e astrofísicos ainda estão temerosos de se aventurar dentro das redes destas cordas. Por outro lado, e impossível manter o mundo fixo e sólido de Newton com seus átomos e modelos mortos de um universo que ferve em energia e vida.

Vamos a pensar no tamanho de um átomo, ate faz pouco tempo, era o mais pequeno conhecido, a lógica Cartesiana nos mostrava pontos no espaço.

A teoria das Cordas e Super-cordas reduze e expande o espaço conhecido, a partícula mais pequena se reduz a um bilhão de bilhões menor que o átomo , o espaço se expande em dimensões, 9 de espaço e 1 de tempo, permitindo coordenadas de espaço e tempo multidimensionais

Assim, se esta teoria estiver correta, temos que admitir, como já admitimos por longo tempo (25 anos de Projeto Águia Dourada) , que vivemos em um espaço de múltiplas dimensões. Para sermos mais exato, segundo a teoria das super-cordas, nós viveríamos em um espaço de dez dimensões. E onde estariam estas outras dimensões que ninguém vê? Estas seis dimensões espaciais extras devem se enrolar (espiralar) em um espaço geométrico minúsculo cujo tamanho deve ser comparável ao comprimento da corda.

Realmente uma partícula fundamental seria o efeito de uma corda vibrando

Temos que entender que se realmente queremos compreender as cordas e super-cordas temos que entrar em um enfoque totalmente multidimensional, determinadas abstrações matemáticas só serão solucionadas desta forma. Isto também permitira o desenvolvimento de uma nova matemática do hiperespaço. Nas universidades do futuro, hiperespaço será uma matéria obrigatória.

Uma partícula fundamental é o efeito de uma corda vibrando. Uma corda mais a super-simetria passa a ser super-corda. A super-simetria tem a ver com duas partículas da natureza chamadas bosoms e fermios.

Um fato importante em tudo isto é que a Teoria das Super-cordas e a primeira teoria que admite a existência dos grávitons sem que estes entrem em conflito com outras partículas, os grávitons representam a energia gravitacional. As próprias equações de Einstein poderiam hoje ser facilmente derivadas das Super-cordas.

A ideia de que nosso universo poderia ter mais que as três dimensões foi introduzida mais de meio século antes do advento de teoria das cordas por T. Kaluza e por O. Klein. A premissa básica da teoria de Kaluza-Klein é que uma dimensão ou pode ser grande e diretamente observável ou pequena e essencialmente invisível. Uma analogia com uma mangueira de jardim pode ser útil. De longe, olhando uma mangueira de jardim longa, parece um longo fio, ou seja, um objeto unidimensional. De um ponto mais próximo (ou de uma distância longa com ajuda de um aparelho de aproximação visual) dimensões adicionais aparecem, a dimensão circular da mangueira fica evidente. Assim, dependendo da escala de sensibilidade do observador, a mangueira ou aparecerá como um objeto de uma ou três dimensões. A teoria de Kaluza-Klein diz que a mesma coisa pode ser verdade no universo.
Nenhum experimento governa ou visualiza a possível existência destas dimensões. Estas dimensões adicionais de espaço estão enroladas (como a dimensão circular da mangueira) em escalas menores que 10-12 cm, o limite de acessibilidade hoje. Embora originalmente introduzida no contexto das teorias de partícula pontuais, esta noção pode ser aplicada a cordas. Então, a teoria das cordas é fisicamente sensata se as seis dimensões extras requeridas estão enroladas em minúsculas formas espirais no espaço, da ordem da escala de comprimento de Planck.

Por outro lado, segundo informações recebidas pelos nossos contatos com os “Eternos” através do PAD, dentro das múltiplas dimensões coexistem as divisões hipertronicas, que são um conjunto de redes espaciais abertas que interligam as diferentes dimensões em seus níveis matriciais fatoriais correspondentes. Uma forma de conhecer o universo e conhecer nossa própria galáxia é a traves destas redes, pois elas refletem a traves de simetria espelho, a traves da geometria cognitiva diferentes tipos de super cordas, em suas dualidades cognitivas estas super cordas (ao igual que nosso DNA) guardam informação fractalizada das dimensões micro e macro cósmica. O aceso fatorial a estas redes será efetuado a traves de circuitos reticulares , espécie de nódulos nas próprias redes que serão ativados por determinadas frequências de ressonância dimensional Acreditamos que com esta tecnologia a viagem no tempo será uma realidade no futuro. E importante sinalar que a maioria das constantes universais e sequencias matemáticas que permitem o calculo relacionado com processos maiores em nível de sistema solar e galáxia e a outras formas de energia ainda não foram descobertas pelos nossos cientistas terrestres. Tudo isto, considerando o fator tempo dentro do universo “alternativo”.
Share:

Translate this site

Google+ Badge

Total de visualizações de página

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *